A Princesa e o Bobo da Corte

0
66

Pedi um príncipe e me mandaram um bobo da corte. Pedi um perfeito e me mandaram um cheio de defeitos. Pedi Sr. Sério e me mandaram um Sr. Idiota. Pedi um homem e me mandaram algo além disto. Pedi um cachorro e me mandaram um gato. Então ocorreu a junção disto tudo e eu me apaixonei a ponto do meu mundo criar cores cada vez que eu falava com ele e quando estava perto as borboletas começavam a voar em meu estomago. Cada vez mais o sorriso dele iluminava o meu mundo inteiro e eu perdia o foco. Meus problemas sumiam cada vez que ele tocava minha mão. Meu corpo tremia. Ficava inteiramente gelada. Passava noites criando planos e expectativas. Mesmo negando o amor, mesmo não querendo, aconteceu. Natural. Sem exagero. Olhando nos olhos, tremendo por inteira e ainda negando. A partir de então passei a ama-lo oito dias por semana e comecei aprender que o amor é uma grande bagunça de sentimentos, tendo sentimentos que te fazem bem e até mesmo mal, assim vendo qual a quantia exata para o meu amor. Passei a gostar do escuro, do escuro com ele na minha cama. Deitados, enrolados, se perdendo um no olhar do outro. A gostar mais do sorrindo, quando é ele quem sorri. Faz meu coração palpitar cada vez que o abre. A gostar de tudo, tudo o que traz ele até mim. Inclusive do entardecer porque sei que depois vou vê-lo. A gostar do horário, quando ele para quando estou com ele. Como meu mundo começa a girar e tudo perde o sentido. Tudo o que importa é ele. A gostar do claro, quando é claro que ele me quer. Quando pede pra eu ficar mais um pouco. Eu gosto do nada, quando nada o leva longe de mim. Nem tempo, nem distância. Eu gosto do não, quando não há briga entre mim e ele. Só aceito brigas de time, porque o time dele é um lixo. De quem ama mais, que obviamente sou eu. De que esta certo, que sempre sou eu. Passei a precisar dele longe ou perto, sendo meu ou não. Preciso do cheiro dele impregnado na minha roupa, do jeito insuportável e irritante de ser. Ele é chato, mas não quero longe. Ele é irritante e bobo. Ele é manhoso e pede carinho com biquinho. Dengoso e xarope. Cheio de defeitos que ao meu olhar se torna perfeito. Independente de tudo é meu. E cada vez que sorri se torna mais meu. E não é atoa que eu o chamo de anjo, ele cuide de mim como um. Se houver briga com ele, a gente se reconcilia numa cama pequena, se houver lágrimas a gente cuida, se houver distância a gente junta. Todo dia eu oro e peço a Deus para que eu não o perca. Não quero que nosso amor tenha prazo de validade. Quando ele não está, eu sinto saudade. Saudade dos xingamentos, das brincadeiras e da maneira como tenta demonstrar que me ama. Saudade dele por completo. Do sorriso, do olhar, do cheiro, do jeito, da maneira, de tu-do. Do jeito como depois de muito tempo calada, segura o meu rosto pergunta “O que aconteceu?”. Do jeito como se preocupa comigo. Como é calmo e paciente. Como me abraça e faz parecer que tudo vai dar certo. E eu só queria que ele entendesse que eu não gosto quando ele vai embora ou quando não diz o que sente. Quando não me da bola ou quando falo que estou bem só quero ele pergunte novamente. Às vezes finjo que está tudo bem, mas tenho meu lado fraco. Preciso de colo, de atenção. Quero-o ao meu lado se estou triste. Se estou braba também. Ou se meu dia foi péssimo. Ele é tão perfeito. Per-feito para mim. Pré-feito só para mim. Imperfeitos mas formamos o par perfeito. Você. Para mim. Fácil de entender, não? Mesmo que sei que você é meu, é inevitável não ter ciúmes. Ciúme de quem te abraça, de quem fala com você ou de quem esta ao seu lado. Ele me mata de ciúmes e eu brigo come ele. Eu o encho de mordida e belisco mesmo. Ele me mata de cosquinhas a ponto de me derrubar da cama. Eu tento chutar, ele me segura. Eu tento bater, ele me beija. Lembro-me como se fosse hoje a primeira vez que eu o vi. Chato, irritante, me incomodava, tirava meu sorriso, tirava minha paz, me deixava com vontade de conversar cada vez mais com ele. Passei a amar o jeito como ele me ganha sem enforco. Amar o cabelo, e como fica mais bonito quando ao acordar. Amo o jeito que ele anda e perfume que usa. Inclusive quando usa o meu prefiro. Amo o timbre da voz dele, e quando fica brabo é a coisa mais linda do mundo que me da vontade de apertar e não largar mais. Amo o jeito que é comigo. Amo provocar até não querer mais. Amo o sorriso dele e como provoca certas reações em mim mesmo após um ano. Amo ele, o pior e o melhor dele, amo-o por inteiro. Por completo. Amo o abraço apertado. Como me ganha com um olhar. Tem ciúmes que eu acho fofo. Me aperta e eu chuto. Me puxa e eu recuo. A risada dele me leva ao céu. Amo cada detalhe nele, a bochecha que eu mordo, o nariz que eu aperto. Amo. Simplesmente amo. Desde a ponto do pé feio, até a cabeça. Amo quando diz que é meu e eu sou dele. Amo as birras, o toque, as caretas. Amo quando os olhos dele brilham a me ver, ou suas manias. Como lida com o meu mau humor. Amo quando ele beija minha testa e me faz cafuné. Quando me da a mão e faz carinho. Poderia ficar horas falando tudo o que eu amo nele. Como eu guarda cada minuto ao lado dele no meu coração e memória. E bem, amanhã não for mais nada disto, no meu coração sempre terá um lugarzinho só dele. Porque certas coisas, é só com ele. Só pra ele. Só ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here